REFLEXÕES SOBRE O SUICÍDIO

   Por Márcia Tigani

 

 

Encerro meu dia com reflexões sobre o tema de hoje no facebook: o suicídio. Aliás esse é tema do dia à dia, muito embora as pessoas o neguem, finjam não enxerga-lo, passem a bola para os " coletivos", digam que é " coisa pra psicólogo, psiquiatra e psicanalista" e seguem em frente, acreditando que este problema não lhes diz respeito.

Segundo a OMS , a cada 5 minutos uma pessoa se suicida no mundo. Portanto, não há como ignorar o tema, embora vivamos numa sociedade individualista, capitalista, que se diz cristã mas funciona assim só nas aparências e , sobretudo, vivemos na sociedade do espetáculo, onde o que vale são as melhores tomadas, os melhores ângulos e a melhor captação do momento da tragédia, de preferência por celular, em tempo real.

Em 35 anos de profissão, não me canso de aprender. Hoje aprendi demais, mais ainda do que eu já sabia sobre o suicídio. Aprendi que a maior parte das pessoas não sabe, não quer e não pode lidar com o tema. Para você conseguir lidar com este assunto, não precisa ser psicólogo, nem psiquiatra, nem parte de um " coletivo de psicólogos" nem da área psicológica.  Antes de tudo tem que ter resolvida a questão sobre o suicídio em sua própria cabeça. Explico: muitos aqui são suicidas em potenciais. Outros já tentaram várias vezes e se envergonham disto.

Muitos aqui sofrem de distúrbios emocionais variados e se escondem através de uma militância até aguerrida, noutras apenas teórica e em alguns casos apenas de fachada. São pessoas que antes de ajudarem necessitam SEREM ajudadas, mas não o fazem pois são onipotentes e acham que vencerão a depressão e seus impulsos suicidas sozinhos. O suicídio é tabu, pouco se fala nas redes de forma educativa, é tema que se evita a todo custo, mas quando acontece ou nas redes entre companheiros ou na mídia entre artistas e personalidades, é tratado de forma sensacionalista.

Hoje tive oportunidade de ler diversas postagens de militantes de esquerda que ou se solidarizavam com o rapaz que marcou a data de sua morte aqui no face, ou desdenharam deste, fizeram chacotas, mandaram recadinhos na página dele incentivando-o a realizar o ato e outras aberrações que partindo de " esquerdistas" me confundiram e pensei: "serão esquerdistas de fato”? Pois como dizia Che Guevara" os revolucionários são movidos por grandes sentimentos de amor. “ De todas as falas chocantes que li, destaco essa fala abaixo , cujo autor prefiro não mencionar , mas que me leva a excluí-lo do meu círculo de amizades, pois não me relaciono com pessoas frias assim. Vejam: "Não se jogando na linha do metrô em horário de pico o resto tá valendo. Os suicidas fazem um favor sobretudo a si mesmos, neste último ato de coragem e força de caráter. E neste fim de ano, ao invés do C V V, o que deveríamos ter era na verdade toda uma força tarefa multi-profissional de apoio àqueles que querem afinal colocar um ponto final nesta manifestação tragicômica que é a vida, mas que ainda não conseguiram esse último incentivo e força de vontade final."

Quero agradecer imensamente à corrente de ajuda que se formou em torno do amigo que expos sua fragilidade pedindo ajuda. Embora tenha visto pessoas que levaram na brincadeira e alguns disseram que se o cara quisesse mesmo se matar não postava no face, vários companheiros aqui se mobilizaram de fato, ligando e procurando por familiares do rapaz suicida. Há 12 meses atrás a amiga Adair Barbosa suicidou-se. Dias antes ela postou seu desespero no face mas não foi levada à sério. Portanto, engana-se quem pensa que quem quer se matar não marca dia nem hora. A minha experiência mostra que não há um único perfil de suicida e que existem diversos indícios de que alguém pretende dar cabo à vida. Uma delas é dando a entender o falando em matar-se.

O suicídio não é apenas um problema para psicólogos ou psiquiatras. É um assunto que interessa e diz respeito à toda a sociedade. A nossa sociedade, doente de descaso, de individualismo e de ignorância ainda não consegue vislumbrar essa necessária visão holística do problema.

Obrigada Serginho Athayde,  Eros Antônio Ferreira Lang Cleusa Slaviero,  Eliana Azevedo, Dane Andrade e demais companheiros generosos, altruístas e sobretudo humanistas. Vocês fazem a diferença entre nós esquerdistas que abraçamos as causas sociais.

Foto: Artelista.com