Percalços inescapáveis do capitalismo

  Por Ana Liési Thurler (filósofa e socióloga)

 

Estou em Barcelona. Nesta manhã festiva de 11 de setembro, data nacional da Catalunha, leio jornais em um café. Chamam-me atenção dois artigos com pano de fundo semelhante: a natureza do capitalismo. Um dos artigos está no jornal La Vanguardía, assinado por Andy Robinson, intitulado “A corrida para a Casa Branca”.  Focaliza a proposta de Trump de concluir o muro separando os EUA dos países ao sul, nas Américas. A administração Clinton construiu mil quilômetros em uma fronteira de 3.200 km.  A intenção anunciada de Donald Trump é colocar um muro de 4 metros de altura ao longo da fronteira com o México, “protegendo” os estados da Califórnia, Arizona, Novo México e Texas.

O geógrafo e professor da Universidade da Califórnia Michael Dean, autor do livro Porque os muros não funcionam, diz que o esquema de controle de migrações clandestinas não é eficiente, apesar do sistema de vigilância de última geração adotado.

A construção dos mil quilômetros do muro aconteceu após a assinatura do Tratado de Livre Comércio (TLC) entre Bill Clinton e Carlos Salinas de Gortari.  Todd Miller – jornalista, morador do Arizona e autor do livro Border Patrol Nation – diz: “De alto a baixo o muro tem as impressões digitais de Bill e Hillary Clinton. ”

Na verdade, o TLC propiciou ampla entrada no México de produtos estadunidenses subvencionados pelo governo dos EUA, como a carne e o milho. Retirou de camponesas e camponeses mexicanos sua fonte de subsistência. Assim, o século XXI encontra-os, indocumentados, migrando para o norte. Em torno de meio milhão de mexicanos faziam essa travessia.  Com o TLC e a subvenção estatal, produtos que constituíam a base de subsistência do campesinato mexicano podem entrar no México e desmantelar a vida social e econômica de suas comunidades.  Por outro lado, camponesas e camponeses empobrecidos e vulnerabilizados pelo tratado não podem atravessar o Rio Grande e se fixar em estados fronteiriços como Califórnia, Arizona, Novo México e Texas.

Em 1994, quatro milhões e meio de mexicanas e mexicanos moravam nos EUA. Vinte anos após, 12 milhões migraram. Entre eles, sete milhões estão indocumentados.

O candidato republicano Donald Trump propõe grandes deportações de mexicanos. Isso, entretanto, já é uma realidade no governo atual de Barack Obama, que deportou 2,7 milhões desde 2008. Enfim, qualquer que seja o resultado das eleições em 08 de novembro, as diferenças para as relações com o sul do Rio Grande, não serão muito diferentes.

Para o México, o impacto do TLC é forte tanto no sentido do empobrecimento dos agricultores, quanto dos setores que poderiam participar da produção tecnológica para a vigilância e segurança do muro militarizado. Enfim, muro e deportações massivas são propostas cruéis, mas não inovadoras.

No jornal madrilenho El País também de hoje (11/9/2016), Antón Costas assina o artigo “A saúde moral do capitalismo espanhol”. O autor inicia colocando a questão:  as possibilidades de crescimento espanhol foram atingidas pela saúde moral do capitalismo no país?

O autor teria se deixado seduzir em um recente seminário realizado pelo empresariado espanhol, incluindo na pauta o tema ‘A ética dos negócios e das empresas? Com consciência ingênua se pergunta pela saúde moral do capitalismo espanhol que, desde 2008, se teria deteriorado. O articulista lembra que o ex-presidente da maior patronal espanhola está encarcerado por corrupção. A degradação moral mais cruel tem sido de altos financistas, distribuindo produtos contaminados, apresentando contas astronômicas, se autoconcedendo compensações vitalícias inaceitáveis – mesmo para as pessoas com menor sentido moral.

Ferir princípios éticos elementares não é prerrogativa exclusiva do capitalismo na Espanha (nem nos EUA em suas relações com seus vizinhos mexicanos). É estrutural do capitalismo e de organizações econômicas e sociais presididas pelo deus mercado multiplicaDOR Das estratificações, as desigualdades, a concentração da riqueza, a reificação, entre tantas outras coisas.

Remeto à leitura da boa reflexão feita por Richard Senett em seu livro A corrosão do caráter.

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

UMA QUESTÃO DE SENSIBILIDADE

  Por Ana Lúcia Alves          Dizem que sou sensível...pois vou contar onde aprendi a ser assim. Convivo a pelo menos 20 anos em hospitais cumprindo meu oficio de cuidar...e lá aprendi...Que paredes de hospitais, já ouviram preces mais sinceras e honestas do que em...

SOLIDARIEDADE NÃO SE PEDE

   Por Claudete Galli                Quero relatar um fato que ocorreu ontem quando eu estava na Vigília Lula Livre. Eu cheguei bem no momento em que o Stédile estava falando, como havia sido a visita ao Lula. Uma observação, então cada vez que o...

EM DIA DE JOGO DA COPA

  Por Igor Grabois            O Brasil é grande nos mais diversos sentidos do termo. Existem cinco países que estão, simultaneamente, entre os dez maiores PIB’s, territórios e populações. O Brasil é um deles. O maior país africano fora da África, só a Nigéria é...

ESTÃO NOS FAZENDO DE BOBOS, BRINCANDO DE DEMOCRACIA.

 Por Inês Duarte                   Não pode haver perdão ao ministro Edson Fachin. Ele traiu o povo brasileiro, traiu a democracia, a Constituição Federal e traiu principalmente ele próprio, quando deixou de cumprir a missão que se comprometeu...

AO SOM DA FOME

 Por Lúcia Costa                Eu tenho 49 anos. Desde criança via comícios, não perdia um, até onde dava. Aos 13 anos comecei a sentir vontade de entrar para a política ao ouvir aqueles homens. Eram só homens, falando bonito. Nos seus discursos...

O RECADO

Por Cleusa Slaviero        Para me apoiar  por causa do desânimo (preocupação), que me acometeu hoje, o George Mello disse: "menos expertise e mais luta, mais determinação." Ele quis dizer que as ações que realizamos na resistência, nesse momento, são mais importantes...

SOBRE A TENDÊNCIA HISTÓRICA E O FUTURO DO BRASIL

   Por Cristiano Camargo                    Toda Revolução Histórica tem um ponto de ruptura, da conjuntura anterior para a nova que surgiu pós- revolução, e que serviu de estopim para incendiar estas revoluções. Pois bem, estamos...

MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho           Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre...

TÁ FALADO

 Por Rosangela Lima              Madrugada alta e eu aqui, escrevendo textão. Pouca gente vai ler, mas é bom desabafar, então... Percebo nos olhares, nas críticas e alguns ataques, a incompreensão de muita gente do meu convívio com o fato de continuar na...

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

Esta seção está em branco.

Artigos

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!