MARIELLE: O DUPLO ASSASSINATO DE UMA MILITANTE

  Por Jeferson Miola     

 

 

 

A cada dia, a biografia de Marielle Franco é enriquecida com novas revelações de uma trajetória de vida que é digna de livro e filme.

Marielle não era muito conhecida além do circuito do Rio de Janeiro e de setores de vanguarda da esquerda partidária e social. Apesar disso, a barbárie e a covardia do seu assassinato causaram uma impressionante comoção no Brasil.

À medida, entretanto, que sua bela história política e de vida foi sendo contada, a revolta e a indignação política se adicionaram à comoção que tomou conta do país e se espraiou pelo mundo.

É irônico que, enquanto viva, a trajetória desta extraordinária militante libertária tenha sido sonegada e escondida pela mídia elitista e colonizada que encontra tempo para programação imbecil ao estilo big brother e faustão, mas não destina 1 segundo do tempo da sua televisão para retratar a vida digna das sobreviventes da favela e das suas legítimas representantes.

É irônico porque, se Marielle tivesse sido celebrizada pela Globo como seu cadáver está sendo agora incensado pela emissora da família Roberto Marinho, provavelmente ela teria tido a justa e merecida notoriedade que poderia lhe assegurar um pouco mais de proteção e de inibição de ataques fascistas como o que a vitimou.

Antes do atentado facínora do qual foi vítima na noite do 14 de março de 2018, Marielle Franco já era Marielle Franco – a jovem, negra, LGBT, “cria” da Maré, lutadora de fibra, democrata, feminista, socialista, defensora da liberdade e dos direitos humanos e vereadora pelo PSOL.

Antes do seu assassinato, portanto, já existiam as razões para este reconhecimento público que, só ocorrido agora, é cínico e perverso, porque só ocorre postumamente, com o corpo mortificado e inerte e a voz asfixiada, emudecida.

Marielles mortas valem mais que Marielles vivas – as primeiras ganham notoriedade; as segundas, simplesmente não existem. A regra é simples: Marielles devem permanecer invisíveis em vida; seus exemplos, suas lutas e suas resistências devem ser silenciadas, abafadas e escondidas.

No manual da mídia que reproduz o pensamento único capitalista, não cabem vocábulos como pluralidade, diversidade, dissenso e tolerância. As lógicas contra-hegemônicas, consideradas ameaçadoras do status quo, são banidas do noticiário.

Quando esconde a realidade, sobretudo a realidade das favelas e da vida concreta da maioria do povo pobre, a mídia simplesmente faz de conta que não existem políticas alternativas e que não existem sujeitos históricos como Marielle Franco.

O poder da mídia não provém exclusivamente da manipulação da notícia e da realidade, mas principalmente do ocultamento daquilo que não interessa ao sistema mostrar. Roberto Marinho dizia que “A Globo é o que é mais pelo que não publicou do que pelo que publicou”.

No livro Quarto Poder, Paulo Henrique Amorim comenta sobre as ordens do doutor Roberto Marinho para o telejornalismo da Globo:

– “Ordem número 1: não quero preto nem desdentado no Jornal Nacional. Ordem número 2: se o Brizola se jogar debaixo de um trem para salvar uma criança, e se a criança se salvar e o Brizola morrer, mesmo assim devo ser consultado para saber se autorizo publicar o nome dele no Jornal Nacional”.

A extraordinária obra política e social como a da Marielle não deve ser mostrada no Jornal Nacional, no horário nobre do noticiário ou nos programas dominicais que, aliás, são concebidos para alienar, abastardar e estupidizar o povo, nunca para educá-lo e libertá-lo.

Antes de ser silenciada por terroristas bárbaros na noite do último 14 de março, quando foi vítima do seu segundo assassinato, Mirelle já tinha sido silenciada pela mídia dominante, que a assassinou pela primeira vez, escondendo e enterrando sua trajetória.

A luta da Marielle Franco – mulher, LGBT, feminista, negra, favelada, jovem e militante socialista – é uma luta transcendental, porque é uma luta de resistência de uma vida inteira contra o banimento midiático, econômico e social dela e da sua classe, a classe dos subalternos.

Marielle está presente! Mais do que nunca! E ela tem tudo para se transformar num rastilho de pólvora.

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

UMA QUESTÃO DE SENSIBILIDADE

  Por Ana Lúcia Alves          Dizem que sou sensível...pois vou contar onde aprendi a ser assim. Convivo a pelo menos 20 anos em hospitais cumprindo meu oficio de cuidar...e lá aprendi...Que paredes de hospitais, já ouviram preces mais sinceras e honestas do que em...

SOLIDARIEDADE NÃO SE PEDE

   Por Claudete Galli                Quero relatar um fato que ocorreu ontem quando eu estava na Vigília Lula Livre. Eu cheguei bem no momento em que o Stédile estava falando, como havia sido a visita ao Lula. Uma observação, então cada vez que o...

EM DIA DE JOGO DA COPA

  Por Igor Grabois            O Brasil é grande nos mais diversos sentidos do termo. Existem cinco países que estão, simultaneamente, entre os dez maiores PIB’s, territórios e populações. O Brasil é um deles. O maior país africano fora da África, só a Nigéria é...

ESTÃO NOS FAZENDO DE BOBOS, BRINCANDO DE DEMOCRACIA.

 Por Inês Duarte                   Não pode haver perdão ao ministro Edson Fachin. Ele traiu o povo brasileiro, traiu a democracia, a Constituição Federal e traiu principalmente ele próprio, quando deixou de cumprir a missão que se comprometeu...

AO SOM DA FOME

 Por Lúcia Costa                Eu tenho 49 anos. Desde criança via comícios, não perdia um, até onde dava. Aos 13 anos comecei a sentir vontade de entrar para a política ao ouvir aqueles homens. Eram só homens, falando bonito. Nos seus discursos...

O RECADO

Por Cleusa Slaviero        Para me apoiar  por causa do desânimo (preocupação), que me acometeu hoje, o George Mello disse: "menos expertise e mais luta, mais determinação." Ele quis dizer que as ações que realizamos na resistência, nesse momento, são mais importantes...

SOBRE A TENDÊNCIA HISTÓRICA E O FUTURO DO BRASIL

   Por Cristiano Camargo                    Toda Revolução Histórica tem um ponto de ruptura, da conjuntura anterior para a nova que surgiu pós- revolução, e que serviu de estopim para incendiar estas revoluções. Pois bem, estamos...

MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho           Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre...

TÁ FALADO

 Por Rosangela Lima              Madrugada alta e eu aqui, escrevendo textão. Pouca gente vai ler, mas é bom desabafar, então... Percebo nos olhares, nas críticas e alguns ataques, a incompreensão de muita gente do meu convívio com o fato de continuar na...

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

Esta seção está em branco.

Artigos

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!