MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho    

 

 

 

Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre e defensora dos direitos humanos, Marielle ousou demais. Ousou denunciar a carcomida e perversa organização social brasileira, a perseguição aos mais pobres, a opressão como forma suprema de exercício do poder, no país.

Mais ousada ainda, Marielle resolveu sonhar. Sonhar com um Brasil que respeite os direitos humanos, que se funde em novos princípios de distribuição da riqueza, que se convença da diversidade de nossas culturas e de nossas etnias. Foi demais a ousadia de Marielle. Foi insuportável àqueles que desejam a manutenção dessa ordem social e econômica miserável, patrimonialista, elitista e que nos condena, em virtude de sua manutenção, à permanência eterna no caos do subdesenvolvimento.

O problema é que Marielle estava levando um pouco mais de confiança e de proteção a comunidades paupérrimas e desamparadas, do Rio de Janeiro, cidade que, apesar de tão bela e tão amada pelo país inteiro, espelha tragicamente toda a desgraça social e política do país.

De sua tribuna na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, a mais nova mártir social brasileira, não dava trégua aos opressores e assassinos espalhados pelas ruas da capital fluminense a executar, principalmente, jovens negros e pobres. A ousada Marielle, ocupando os microfones da Câmara, tinha a petulância de falar alto contra os assassinatos perpetrados por quem deveria, na verdade, proteger a sociedade, mas, que, a serviço do status quo criminoso e opressor, se ocupava em matar.

E foram esses que os que, segundo todos os indícios, assassinaram Marielle, deixando órfãos os pobres e miseráveis a quem a nossa heroína, da hora, defendia com tanto ardor e unhas e dentes, em sua ousada trajetória. É lamentável que tenha de estar falando aqui de uma heroína morta, para desespero de seus protegidos, mas, sobretudo, de sua família e de seus amigos.

Quisera, diferentemente disso, estar falando de uma heroína viva, alegre, destemida e ousada como sempre foi Marielle. Estamos, por conta disso, profundamente chocados, principalmente por ter tomado conhecimento da existência da extraordinária Marielle no momento de sua morte, executada de forma a mais cruel possível.

Com certeza, outras Marielle insistem na extrema ousadia de denunciar opressões de todas as ordens que campeiam a sociedade brasileira. E, infelizmente, Marielle nem foi a primeira nem será a última a ter sua vida tão perversamente tirada.

É de se perguntar, agora, à maneira da mártir carioca: quantas Marielles terão de ser assassinadas para que o Brasil mude? Será possível que ainda tenhamos de assistir a outras mortes, assim, violentas para que o país avance no respeito aos pobres?

Esta quinta-feira, 15, é dia de chorar o desaparecimento de Marielle. Mesmo os que não conviveram com ela, durante sua vida, choram copiosamente a morte dessa líder popular, agora, como se tratasse de uma velha e bondosa conhecida.
Como sempre, a esperança é de que a morte de Marielle represente, enfim, um ponto de inflexão real no sentido de uma mudança nas relações sociais e políticas, embora não haja, infelizmente, qualquer sinal nessa direção.

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

UMA QUESTÃO DE SENSIBILIDADE

  Por Ana Lúcia Alves          Dizem que sou sensível...pois vou contar onde aprendi a ser assim. Convivo a pelo menos 20 anos em hospitais cumprindo meu oficio de cuidar...e lá aprendi...Que paredes de hospitais, já ouviram preces mais sinceras e honestas do que em...

SOLIDARIEDADE NÃO SE PEDE

   Por Claudete Galli                Quero relatar um fato que ocorreu ontem quando eu estava na Vigília Lula Livre. Eu cheguei bem no momento em que o Stédile estava falando, como havia sido a visita ao Lula. Uma observação, então cada vez que o...

EM DIA DE JOGO DA COPA

  Por Igor Grabois            O Brasil é grande nos mais diversos sentidos do termo. Existem cinco países que estão, simultaneamente, entre os dez maiores PIB’s, territórios e populações. O Brasil é um deles. O maior país africano fora da África, só a Nigéria é...

ESTÃO NOS FAZENDO DE BOBOS, BRINCANDO DE DEMOCRACIA.

 Por Inês Duarte                   Não pode haver perdão ao ministro Edson Fachin. Ele traiu o povo brasileiro, traiu a democracia, a Constituição Federal e traiu principalmente ele próprio, quando deixou de cumprir a missão que se comprometeu...

AO SOM DA FOME

 Por Lúcia Costa                Eu tenho 49 anos. Desde criança via comícios, não perdia um, até onde dava. Aos 13 anos comecei a sentir vontade de entrar para a política ao ouvir aqueles homens. Eram só homens, falando bonito. Nos seus discursos...

O RECADO

Por Cleusa Slaviero        Para me apoiar  por causa do desânimo (preocupação), que me acometeu hoje, o George Mello disse: "menos expertise e mais luta, mais determinação." Ele quis dizer que as ações que realizamos na resistência, nesse momento, são mais importantes...

SOBRE A TENDÊNCIA HISTÓRICA E O FUTURO DO BRASIL

   Por Cristiano Camargo                    Toda Revolução Histórica tem um ponto de ruptura, da conjuntura anterior para a nova que surgiu pós- revolução, e que serviu de estopim para incendiar estas revoluções. Pois bem, estamos...

MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho           Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre...

TÁ FALADO

 Por Rosangela Lima              Madrugada alta e eu aqui, escrevendo textão. Pouca gente vai ler, mas é bom desabafar, então... Percebo nos olhares, nas críticas e alguns ataques, a incompreensão de muita gente do meu convívio com o fato de continuar na...

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

Esta seção está em branco.

Artigos

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!