MANIFESTO EM DEFESA DE UMA UEPB PÚBLICA, 100% ESTATAL,GRATUITA E DE QUALIDADE.

                 Por Aduepb U                                                          

Nos últimos anos, a Universidade Estadual da Paraíba vem passando por um processo crescente de perdas e prejuízos, que comprometem o seu funcionamento enquanto instituição de ensino superior, pública, estatal e de qualidade, nacionalmente reconhecida e socialmente referenciada.

Precisamos esclarecer que o discurso de crise e arrocho fiscal alardeado pelo Governo do Estado não se justifica num contexto em que, entre 2010 e 2016, a receita própria do Estado da Paraíba cresceu 82%, enquanto a inflação foi de 58%, ou seja, o Estado teve uma receita líquida superavitária em 24% (dados do SINDFISCO/PB). Torna‐se claro que a UEPB cabe perfeitamente no orçamento do Estado da Paraíba, basta, para tanto, que este Governo valorize a Educação Superior Pública, Gratuita e de Qualidade como uma prioridade. 

A partir de agosto de 2004, a Lei Estadual de Autonomia Financeira (7.643/2004) passou a assegurar à UEPB uma base de cálculo dos recursos orçamentários e financeiros assentada em um percentual da receita ordinária do Estado; mas, no ano de 2010, o Governador José Maranhão já repassou vários duodécimos com valores inferiores aos definidos pela Lei e deixou de repassar o duodécimo do mês de dezembro. No ano de 2011, o Governador Ricardo Coutinho tomou como referência apenas os onze duodécimos do ano anterior e, a partir daí, definiu o valor a ser repassado à UEPB, impondo uma redução de 32,5 milhões de reais. 

Em 2012, o Governador definiu um valor fixo para o orçamento 41,4 Milhões a menos do que se previa a partir da Lei da Autonomia e, nos anos subsequentes, manteve a mesma lógica restritiva, sendo que, entre 2013 e 2016 a variação anual dos valores repassados foi inferior aos índices inflacionários do período e, também, bastante inferior ao que se previa a partir da Lei de Autonomia, que teria como base os 5,21% da receita ordinária do Estado em 2009, uma vez que nenhum ano posterior deveria reduzir percentuais já repassados. Essas e outras restrições implicaram em uma significativa perda orçamentária para a UEPB, que, então, declinou daqueles 5,21% da receita ordinária do Estado, em 2009, para o atual percentual de apenas 2,8% desta receita, em 2017. 

Em janeiro de 2016, uma nova afronta golpeia a autonomia da UEPB e desvaloriza o Ensino Superior público do Estado, quando o Governador baixou a Medida Provisória nº 242 e, posteriormente, transformou‐a na Lei nº 10.660/2016. Esta Lei encerra um verdadeiro “pacote de maldades”, suspendendo a data base dos servidores e a correção da inflação do ano anterior, bem como as promoções e progressões funcionais, entre outros direitos, comprometendo, por conseguinte, o desenvolvimento pleno das atividades pertinentes ao ensino, pesquisa e extensão, em âmbitos de graduação e pós‐graduação.

No ano de 2017, o Governo Estadual continua sua política de depreciação e sucateamento da UEPB, desconsiderando, inicialmente, a proposta de orçamento aprovada pelo CONSUNI, de 410 milhões de reais para este ano e, posteriormente, a própria LOA aprovada na Assembleia Legislativa, que previa um repasse de R$ 317.819,269,00 para este ano. Assim, na divulgação do Quadro de Desembolso de Despesas (QDD), o Governo Estadual reduziu o orçamento da UEPB para R$ 290.640 milhões, deduzindo do valor inicial previsto pelo CONSUNI um montante de R$119.360.000,00, que seriam absolutamente necessários à manutenção da Universidade. Mas as perdas não param por aí! Dando prosseguimento a sua política de redução do financiamento da UEPB, no duodécimo de março, o Governo Estadual repassou R$ 2.7 milhões a menos e, em abril, subtraiu mais R$ 4.656 milhões; implicando num contingenciamento de R$ 34.535 milhões, em apenas dois meses.

De forma similar ao que vem acontecendo com outras universidades estaduais – a exemplo da UERN e da UERJ – este cenário de restrições orçamentárias tem ameaçado as condições de funcionamento pleno da Universidade Estadual da Paraíba como instituição pública de ensino superior, precarizando as condições gerais do ensino, da pesquisa e da extensão, bem como as condições de trabalho dos técnicos administrativos e dos docentes – efetivos e, especialmente, substitutos, pois, ameaça os vínculos empregatícios desses últimos. Há também um sucateamento da infraestrutura da Universidade, ao ponto de já ter submetido estudantes a danos físicos.

Diante desses violentos ataques que ameaçam a UEPB, enquanto patrimônio de toda a sociedade paraibana e de suas futuras gerações, é que vimos a público conclamar a toda a população paraibana e às nossas instituições públicas – Governo do Estado, Reitoria, Ministério Público, Assembleia Legislativa e demais órgãos pertinentes – para que se incorporem à nossa luta, na defesa aguerrida e irrestrita de que a UEPB recupere e consolide, de forma plena, o seu importante papel e função social de instituição pública de ensino superior, cem por cento estatal, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada, bem como sua relevante missão de contribuir para o desenvolvimento deste Estado e da Região Nordeste. A UEPB É NOSSA E NÃO PODE FECHAR SUAS PORTAS! 

 

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

UMA QUESTÃO DE SENSIBILIDADE

  Por Ana Lúcia Alves          Dizem que sou sensível...pois vou contar onde aprendi a ser assim. Convivo a pelo menos 20 anos em hospitais cumprindo meu oficio de cuidar...e lá aprendi...Que paredes de hospitais, já ouviram preces mais sinceras e honestas do que em...

SOLIDARIEDADE NÃO SE PEDE

   Por Claudete Galli                Quero relatar um fato que ocorreu ontem quando eu estava na Vigília Lula Livre. Eu cheguei bem no momento em que o Stédile estava falando, como havia sido a visita ao Lula. Uma observação, então cada vez que o...

EM DIA DE JOGO DA COPA

  Por Igor Grabois            O Brasil é grande nos mais diversos sentidos do termo. Existem cinco países que estão, simultaneamente, entre os dez maiores PIB’s, territórios e populações. O Brasil é um deles. O maior país africano fora da África, só a Nigéria é...

ESTÃO NOS FAZENDO DE BOBOS, BRINCANDO DE DEMOCRACIA.

 Por Inês Duarte                   Não pode haver perdão ao ministro Edson Fachin. Ele traiu o povo brasileiro, traiu a democracia, a Constituição Federal e traiu principalmente ele próprio, quando deixou de cumprir a missão que se comprometeu...

AO SOM DA FOME

 Por Lúcia Costa                Eu tenho 49 anos. Desde criança via comícios, não perdia um, até onde dava. Aos 13 anos comecei a sentir vontade de entrar para a política ao ouvir aqueles homens. Eram só homens, falando bonito. Nos seus discursos...

O RECADO

Por Cleusa Slaviero        Para me apoiar  por causa do desânimo (preocupação), que me acometeu hoje, o George Mello disse: "menos expertise e mais luta, mais determinação." Ele quis dizer que as ações que realizamos na resistência, nesse momento, são mais importantes...

SOBRE A TENDÊNCIA HISTÓRICA E O FUTURO DO BRASIL

   Por Cristiano Camargo                    Toda Revolução Histórica tem um ponto de ruptura, da conjuntura anterior para a nova que surgiu pós- revolução, e que serviu de estopim para incendiar estas revoluções. Pois bem, estamos...

MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho           Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre...

TÁ FALADO

 Por Rosangela Lima              Madrugada alta e eu aqui, escrevendo textão. Pouca gente vai ler, mas é bom desabafar, então... Percebo nos olhares, nas críticas e alguns ataques, a incompreensão de muita gente do meu convívio com o fato de continuar na...

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

Esta seção está em branco.

Artigos

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!