LINCHANDO ELIKA

 Por Wilson Gomes       

 

 

Elika Takimoto. O nome dela te diz alguma coisa? É escritora, já ganhou prêmio literário, tem um blog, escreve lindamente. Elika é também professora. De Física. Recentemente deve ter chamado a sua atenção como "a professora que viralizou um post" sobre as políticas de Lula de inclusão social, a ponto de o presidente ligar para ela pessoalmente para agradecer. Lembrou?

O perfil não está mais no Facebook. É a mais nova vítima de linchamento das patrulhas de esquerda que "descobriram", por um post, que ela era um monstro racista e preconceituoso que precisava levar uma correção. Não aguentou. Agora mesmo, na minha timeline, há alguns justiceiros e justiceiras gabando-se de ter dito umas verdades à racista, classista e monstruosa Elika.

Elika Takimoto é de esquerda a não mais poder. Fazia constar isso na sua apresentação espirituosa. É progressista, liberal, esclarecida, segue à risca o manual das causas legais e das posições construtivas. Mas escreveu um looongo post, no modelo "história de superação", narrando o percurso pedagógico do primeiro grupo de cotistas em uma turma de alunos dela, do estranhamento e choque inicial até a integração e o triunfo final, resultado de cooperação, solidariedade, compartilhamento de oportunidades, sensibilidade ao outro. Essas coisas de esquerda. Mas eis que uma patrulheira da esquerda "descobriu", na parte da narrativa em que se descrevia o estranhamento, que Elika era, na verdade, racista e cultivava o preconceito de classes em nível "monster". Não sei se leu o resto. Logo vieram muitos outros, daqueles que não admitem vacilo no seu turno de guarda, para denunciar à sociedade e ao mundo que uma pessoa ruim havia sido detectada. O resto é a história dos linchamentos digitais a que já estamos acostumados.

Linchamento é diferente de outras formas de ataque. Ataca-se por diferentes razões, mas o linchamento é sempre baseado em valores morais. Chama-se linchamento quando quem ataca se baseia na premissa de que é moralmente superior a quem está sendo justiçado. Todo linchador é um moralista que justifica o exercício da violência, ainda mais da violência covarde de muitos contra um, em termos morais. Quanto maior a convicção nos próprios valores, quanto maior a certeza de que a posição detestada não vale nada, mais feroz e consistente é o ataque. Por isso mesmo é que feministas e antirracistas são dos grupos que mais praticam linchamentos digitais: tenho uma coleção de casos destes; Takimoto, infelizmente, é só mais um episódio que vai para os meus arquivos.

Elika tem 10 mil publicações que evidenciam o que ela é e em que ela acredita. Mas, como me disse um sujeito esta semana aqui, "não tenho obrigação de ler o que você já escreveu". Certo. Mas tem o direito de inferir de uma única sentença que ali há um racista, um machista, um monstro moral que precisa levar uma correção? E o critério para o assombro ético é autorreferente, claro: se aquela frase ou aquela foto não caiu bem ao paladar do patrulheiro, então uma monstruosidade foi detectada e o espancamento precisa acontecer. Não importa se o problema é que o patrulheiro é burrinho, pouco dado a sutilezas e paradoxos ou um fanático e dogmático. Por sinal, ninguém mais se perguntou se a experiência descrita por Elika é verdadeira ou não (e a realidade, infelizmente, nem sempre entrega o que a gente gosta), nem se a interpretação de Elika sobre os cotistas no início do semestre era verdadeira ou não (opiniões de que discordamos não são necessariamente falsas). Ao patrulheiro não cabe hesitar, o patrulheiro não pode se permitir mudar de ideia. Ao patrulheiro cabe tocar a corneta e avisar que aquela pessoa, naquele lugar, está violando os nossos valores. E se está violando os nossos valores, só pode ser porque não presta. Em alguns segundos, do julgamento da frase saltamos para o julgamento do caráter de quem a escreveu. Do julgamento à execução da sentença é só questão de juntar gente. E pronto. Ufa! Agora o mundo está seguro de novo.

Fui religioso por bastante tempo. Ainda o sou, a meu modo. Mas depois de ver tanta crueldade praticada por gente de fé, cheguei à conclusão de que prefiro pessoas boas a pessoas religiosas. Se as religiosas forem também boas, tudo bem, mas não é a a fé o meu critério para julgamento de caráter nem para a escolha dos meus companheiros de caminho. Hoje tenho a mesma convicção com relação à religião civil na sua clivagem ideológica: sempre preferi pessoas boas a pessoas de esquerda. Ser de esquerda, como ser cristão, não faz de ninguém uma boa pessoa. Coração e caráter são outras coisas. E se você é de esquerda e se entrega a linchamentos, meu amigo, para mim você não presta. Não importa o quanto você esteja convencido de ser moralmente superior ao linchado, você simplesmente não presta. É simples assim.

 

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

QUEM FOI LUCIANA DE ABREU?

 Por Carla Kunze            Não há o que comemorar hoje. Há apenas do que reclamar. A crise provocada pelos golpistas está atingindo principalmente as mulheres. Seja porque elas hoje são as provedoras das suas famílias e o desemprego as atingiu muito mais do...

MEXEU COM LULA, MEXEU COM A GENTE

 Por Inês Duarte          Estão divulgando nas redes sociais a possibilidade das manifestações em POA tornarem a cidade num campo de batalha. Não por nossa gente, não pelas forças progressistas, mas pelas forças do retrocesso da civilização. Eu e todos que partem do...

A VIDA É BELA

Por Francisca Frida             Hoje me sinto um pouco mais forte e quero lhes contar um fato só para que vocês vejam até que ponto chega a maldade humana... Algumas vezes eu disse aqui que tinha vontade de ir para outro planeta, e que os seres humanos me...

REFLEXÕES SOBRE O SUICÍDIO

   Por Márcia Tigani     Encerro meu dia com reflexões sobre o tema de hoje no facebook: o suicídio. Aliás esse é tema do dia à dia, muito embora as pessoas o neguem, finjam não enxerga-lo, passem a bola para os " coletivos", digam que é " coisa pra psicólogo, psiquiatra e...

NÃO É SOMENTE LULA QUE CONDENAM, É A TODA UMA NAÇÃO

  Por Inês Duarte              Não tenho mais o que dizer, meu coração está congelado de tanta tristeza. Lula é vítima da maldade humana, vítima do egoísmo, da desonestidade, da cegueira e do ódio de pessoas que optaram em ser ruins com uma única finalidade:...

NOTA DE REPÚDIO DA UFPB

  A Reitoria da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) vem reiterar sua indignação e manifestar repúdio à ação de condução coercitiva de dirigentes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em operação que apura supostos desvios na construção do Memorial da Anistia. Em 6 de dezembro, o...

A FACE EXPLÍCITA DO TERROR

     Por  Vânia de Farias                     O que poderia levar dois jovens aparentemente bem sucedidos a cometer um ato monstruoso desses? Já nasceram psicopatas ou foram perdendo a...

ANOTA AÍ COMPANHEIRO/A

 Por Cleusa Slaviero          Ontem o Zeca me enviou o texto que Aldo Fornazieri publicou sobre a Nota do PT, só tive tempo de ler de madrugada, quando li tudo o que recebi ontem e me inteirei das notícias do Brasil e do mundo. Que decepção tão grande a opinião de...

Esta seção está em branco.

Artigos