EU NÃO TENHO UMA ANA. AQUELE ABRAÇO A TODOS OS EDUCADORES/AS DO BRASIL.

 Por Renato Uchôa   

 

 

 

 

Com o maior ou menor desconto, a opção é de todos nós, de cada um, não é a educação (importante contribuição) que transformará a sociedade de classes, na qual uma se sobrepõe e escraviza a outra, pelo consenso ou pela força. Impondo um controle rigoroso nas instituições. Em todas, da sociedade civil ou política. E nas educativas propriamente ditas, comumente entendidas; das ideias pedagógicas, do material pedagógico, da formação dos educadores, com destaque o ritual a que somos submetidos.

Componentes básicos do fenômeno educativo que se refletem na postura de todos nós (enquanto) educadores, e que se estendem para além da escola. Nas formas de relacionamento, na concepção capitalista da posse: a minha sala, minha turma, minha opinião, minha mulher, o meu cachorro. Nos espaços diversos. Cotidianamente, faça chuva ou sol.

As razões para ruptura do processo da concepção, do modo de vida das camadas dominantes, europeizadas por séculos de exploração, com a eclosão e hegemonia cultural e moral das camadas subalternas, têm outro endereço: as relações de escravização no processo de produção. Que as alija do resultado do trabalho e que produz em série uma legião de condenados, apenas, à sobrevivência. E são milhões no mundo todo vivendo abaixo da linha de pobreza, confinados em espaços que contém todas as formas de violência: contra a mulher, negros, índios, homoafetivos, crianças, idosos, e muito mais.

Violência, portanto, ensinada e incitada pelo ódio das camadas dominantes nos seus espaços de convivência, entre as diversas frações. O privilégio é inerente às frações que compõem o bloco que já desfila em todas as ruas e praças em favor do Golpe contra a democracia. E nós, educadores de todos os dias, pela especificidade do trabalho que nos aparenta diferente, pelas condições aviltantes a que somos submetidos; salários miseráveis, jornadas desgastantes, péssimas condições materiais, não podemos ter receio de nos consideramos trabalhadores.

E quando assim nos entendemos, a nossa contribuição no processo de transformação da sociedade, juntamente com os outros, assume uma dimensão educativa na superação da discriminação, pela formação autoritária que, de forma consciente ou não, também se reflete nos filhos das camadas subalternas, pela violência imposta tanto nos conteúdos, como na forma de olharmos. Em sendo, ao contrário do que possa parecer.

O receituário educativo prescrito nas Universidades, que têm, no geral, como princípio ativo, a concepção de mundo das camadas dominantes, atua na formação dos profissionais descarregados nas diversas instituições, para atuarem em função da manutenção consensual do modo de vida delas (camadas dominantes). O que determina em função das ideias pedagógicas da classe dominante, as dominantes em qualquer época da história é tornar proscrito, à concepção da outra (camadas subalternas), como subproduto do conhecimento.

A nossa postura como educadores, pela circulação das concepções nas instituições da sociedade civil, portanto, essencialmente, se reveste de grande importância na destruição da pseudoconcreticidade. As universidades brasileiras já se posicionaram em favor do Estado de Direito, contra todas as gangues que assumiram o país através do violento afastamento da presidenta Dilma.

E aqui no Piauí, quando não se tem um R$1,00, a gente diz assim “Eu não tenho uma Ana”. Aquele abraço a todos os educadores/as do Brasil na luta em defesa do país.


 

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

QUEM FOI LUCIANA DE ABREU?

 Por Carla Kunze            Não há o que comemorar hoje. Há apenas do que reclamar. A crise provocada pelos golpistas está atingindo principalmente as mulheres. Seja porque elas hoje são as provedoras das suas famílias e o desemprego as atingiu muito mais do...

MEXEU COM LULA, MEXEU COM A GENTE

 Por Inês Duarte          Estão divulgando nas redes sociais a possibilidade das manifestações em POA tornarem a cidade num campo de batalha. Não por nossa gente, não pelas forças progressistas, mas pelas forças do retrocesso da civilização. Eu e todos que partem do...

A VIDA É BELA

Por Francisca Frida             Hoje me sinto um pouco mais forte e quero lhes contar um fato só para que vocês vejam até que ponto chega a maldade humana... Algumas vezes eu disse aqui que tinha vontade de ir para outro planeta, e que os seres humanos me...

REFLEXÕES SOBRE O SUICÍDIO

   Por Márcia Tigani     Encerro meu dia com reflexões sobre o tema de hoje no facebook: o suicídio. Aliás esse é tema do dia à dia, muito embora as pessoas o neguem, finjam não enxerga-lo, passem a bola para os " coletivos", digam que é " coisa pra psicólogo, psiquiatra e...

NÃO É SOMENTE LULA QUE CONDENAM, É A TODA UMA NAÇÃO

  Por Inês Duarte              Não tenho mais o que dizer, meu coração está congelado de tanta tristeza. Lula é vítima da maldade humana, vítima do egoísmo, da desonestidade, da cegueira e do ódio de pessoas que optaram em ser ruins com uma única finalidade:...

NOTA DE REPÚDIO DA UFPB

  A Reitoria da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) vem reiterar sua indignação e manifestar repúdio à ação de condução coercitiva de dirigentes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em operação que apura supostos desvios na construção do Memorial da Anistia. Em 6 de dezembro, o...

A FACE EXPLÍCITA DO TERROR

     Por  Vânia de Farias                     O que poderia levar dois jovens aparentemente bem sucedidos a cometer um ato monstruoso desses? Já nasceram psicopatas ou foram perdendo a...

ANOTA AÍ COMPANHEIRO/A

 Por Cleusa Slaviero          Ontem o Zeca me enviou o texto que Aldo Fornazieri publicou sobre a Nota do PT, só tive tempo de ler de madrugada, quando li tudo o que recebi ontem e me inteirei das notícias do Brasil e do mundo. Que decepção tão grande a opinião de...

Esta seção está em branco.

Artigos

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!