Escola sem Partido: mordaças na educação

                

  Por  Célia  Zerbato
            
      
                             O Projeto de Lei nº 867/2015, do Deputado Izalci Lucas Ferreira (PSDB/DF), agora tramitando no Senado Federal como PLS nº 193/2016, sob autoria do senador Magno Malta (PR-ES), visa incluir entre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) o Programa Escola Sem Partido. Se a lei for aprovada pelo Parlamento brasileiro, a iniciativa entrará para a história da educação do país como a ressurgência do “AI-5” nos espaços de aula. Por quê?
 O texto limita o que pode ser abordado sobre política no chão das escolas exigindo a “neutralidade” do professor e, além disso, coibe a defraudação da educação moral e religiosa que os filhos recebem dos pais. Os princípios da lei estabelecem verdadeiras mordaças ao trabalho docente tais como: o professor não se aproveitará da audiência cativa dos alunos para promover os seus próprios interesses, opiniões, concepções ou preferências ideológicas, religiosas, morais, políticas e partidárias; não favorecerá, prejudicará e ou constrangerá os alunos em razão de suas convicções políticas, ideológicas, morais ou religiosas, ou da falta delas; não fará propaganda político-partidária em sala de aula e nem incitará seus alunos a participar de manifestações, atos públicos e passeatas. Ainda, respeitará o direito dos pais a que seus filhos recebam a educação moral que esteja de acordo com suas próprias convicções. O disposto na lei aplica-se também aos livros didáticos e paradidáticos bem como ao processo de avaliação. A mordaça tem vários tentáculos podendo incidir inclusive sobre o Ensino Superior, respeitado o artigo 207 da Constituição Federal.
Vê-se que o Programa Escola sem Partido expressa uma tentativa de impingir o cerceamento das práticas docentes por meio de uma ofensiva ultrarreacionária, que procura reverter a aventada “doutrinação” político-ideológica com contornos de esquerda, existente nas escolas do país. Para tal, a materialização do programa pressupõe duas práticas nos espaços de aula bem conhecidas de regimes totalitários: a perseguição de docentes “subversivos” e a censura de livros escolares. O ideário no qual este programa se funda caminha na contramão dos países que têm bons sistemas de ensino e não possuem leis aberrantes como esta. Mas, por aqui, a propagação se dá em cadeia.
Além do PL nº 193/2016, outros projetos de lei semelhantes se espraiam pelo Brasil. Segundo a Folha de S. Paulo, projetos que vão de encontro com a Escola sem Partido estão tramitando em aproximadamente nove Assembleias Legislativas e dezessete Câmaras municipais do país, dados que revelam a gravidade da onda reacionária travestida de “cale-se” que avança sobre o ensino brasileiro. Estes projetos estão pautados em argumentos perversos que se aproximam das ideias fascistas de controle das consciências a serviço da burguesia.
Nessa direção, o programa Escola sem Partido e seus projetos tentáculos objetivam: desestimular o pensamento crítico-reflexivo e ensinar o aluno a obedecer sem questionar a realidade como sujeito apartado da história. A consciência do educando fica amordaçada a uma visão elitista negadora de sua participação no mundo e desvinculada da pluralidade de ideias e vivências. A concretização da lei significa o retorno ao ensino tecnicista e padronizado do período da Ditadura Militar manifestado nos famosos livros guia do professor, sendo os docentes meros executores de aulas planejadas pelos tecnocratas do governo.
Segundo Leandro Karnal, historiador, o Escola sem Partido “é uma asneira sem tamanho, é uma bobagem conservadora, é coisa se gente que não é formada na área [...] É uma crença fantasiosa de uma direita delirante e absurdamente estúpida”. Verbalização coerente com o novo cenário da educação que se principiou com a posse do Ministro da Educação, interino, Mendonça Filho ao receber em seu gabinete dois polêmicos interlocutores: o ator Alexandre Frota e o Marcelo Reis (membro do grupo de direita Revoltados Online) que propuseram o inconstitucional Programa Escola sem Partido. Ademais, os partidos, figuras políticas e apoiadores deste modelo de escola são predominantemente de direita e sem formação específica em Educação. Tais meandros reforçam também, a fala do deputado federal Paulo Pimenta (PT/RS): “o Escola sem Partido tem partido - o do golpe”.
  Ora, assim como a cara do golpe expressa aversão à diversidade manifestada desde o início na composição dos ministérios ao banir mulheres, negros e gays, isto é, a própria diversidade cultural do país, também a escola deve se calar e produzir uma fictícia ideia de homogeneidade social. Torna-se plausível a partir de um protocolo didático estabelecido por lei, negar toda a pluralidade de ideologias, de gênero e de classes sociais manifestando a pretensa “neutralidade” da educação. Por trás deste desenho de escola estão as elites que exploram este país desde o período colonial apoiadas pelos seus vassalos, ambos desejosos de um povo fantoche para manutenção dos status quo.
Contrariamente, vários movimentos sociais lutam pelo rompimento do postulado grilhão da educação: o Escola sem Partido. A pressão social forçou a abertura de consulta popular pelo site do Senado sobre o projeto de lei, mas diferentemente dos referendos e dos plebiscitos, a consulta pública garante apenas um mínimo de participação dos cidadãos.
A educação brasileira sofre graves problemas como a falta de professores, precárias condições de trabalho, escolas com inadequadas infraestruturas, altos índices de analfabetos funcionais, consequentemente, baixos índices de alfabetização de nossas crianças.
Mediante o cambaleante cenário educacional: a Lei da Mordaça é um escárnio!

Foto: www.camarapoa.rs.gov.br

 

 

 

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

UMA QUESTÃO DE SENSIBILIDADE

  Por Ana Lúcia Alves          Dizem que sou sensível...pois vou contar onde aprendi a ser assim. Convivo a pelo menos 20 anos em hospitais cumprindo meu oficio de cuidar...e lá aprendi...Que paredes de hospitais, já ouviram preces mais sinceras e honestas do que em...

SOLIDARIEDADE NÃO SE PEDE

   Por Claudete Galli                Quero relatar um fato que ocorreu ontem quando eu estava na Vigília Lula Livre. Eu cheguei bem no momento em que o Stédile estava falando, como havia sido a visita ao Lula. Uma observação, então cada vez que o...

EM DIA DE JOGO DA COPA

  Por Igor Grabois            O Brasil é grande nos mais diversos sentidos do termo. Existem cinco países que estão, simultaneamente, entre os dez maiores PIB’s, territórios e populações. O Brasil é um deles. O maior país africano fora da África, só a Nigéria é...

ESTÃO NOS FAZENDO DE BOBOS, BRINCANDO DE DEMOCRACIA.

 Por Inês Duarte                   Não pode haver perdão ao ministro Edson Fachin. Ele traiu o povo brasileiro, traiu a democracia, a Constituição Federal e traiu principalmente ele próprio, quando deixou de cumprir a missão que se comprometeu...

AO SOM DA FOME

 Por Lúcia Costa                Eu tenho 49 anos. Desde criança via comícios, não perdia um, até onde dava. Aos 13 anos comecei a sentir vontade de entrar para a política ao ouvir aqueles homens. Eram só homens, falando bonito. Nos seus discursos...

O RECADO

Por Cleusa Slaviero        Para me apoiar  por causa do desânimo (preocupação), que me acometeu hoje, o George Mello disse: "menos expertise e mais luta, mais determinação." Ele quis dizer que as ações que realizamos na resistência, nesse momento, são mais importantes...

SOBRE A TENDÊNCIA HISTÓRICA E O FUTURO DO BRASIL

   Por Cristiano Camargo                    Toda Revolução Histórica tem um ponto de ruptura, da conjuntura anterior para a nova que surgiu pós- revolução, e que serviu de estopim para incendiar estas revoluções. Pois bem, estamos...

MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho           Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre...

TÁ FALADO

 Por Rosangela Lima              Madrugada alta e eu aqui, escrevendo textão. Pouca gente vai ler, mas é bom desabafar, então... Percebo nos olhares, nas críticas e alguns ataques, a incompreensão de muita gente do meu convívio com o fato de continuar na...

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

Esta seção está em branco.

Artigos

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!