Da casa grande à senzala urbana

Por Zurene Manique

O lado paterno de minha família foi deixando o campo, pela cidade, por volta de 1945. Na rota do processo de urbanização, como milhões de brasileiros.  Mas antes disso labutaram muito na terra. Meu pai nunca se conformou com o ditado "o colono trabalha de sol a sol". No inverno, meu avô acordava os filhos (4 rapazes e 2 moças) por volta de 4 da manhã e às 5 horas, ainda escuro, já estavam na roça iniciando os trabalhos de lavoura. Em casa a vó tratava dos animais: 4 juntas (nome popular dado a uma dupla de bois utilizados para desenvolver trabalhos de tração em atividades rurais como puxar um carro de bois) de bois, 4 vacas, 70 porcos e 100 galinhas. Alimentava os 8 bois para liberá-los para o arado. Depois tratava as vacas com espiga de milho, mandioca, batata doce e capim enquanto eram ordenhadas. Na sequência alimentava os porcos e depois as galinhas. Paralelo a essas tarefas corria à cozinha e preparava polenta e carne no fogão à lenha. Após aprontar uma salada mista, pegava uma peça de queijo e ajeitava tudo num enorme cesto. Chamava um capataz que levava o lauto almoço para a família. Isso acontecia por volta de 8 horas da manhã. No decorrer do dia mais duas refeições eram enviadas. Os familiares só retornavam para casa quando começava a escurecer, ou seja, laboravam por mais de 12 horas.

A cena descrita acima serve apenas para ilustrar como se vivia no campo. Mas havia outra realidade paras moças campesinas de famílias mais humildes cujos pais eram empregados em fazendas. Essas meninas acalentavam o sonho de se mudarem para a cidade e terem um emprego mais leve. Desta forma, ir trabalhar numa casa de família com casal e uma penca de filhos e ter de lavar, passar, cozinhar e coser era um trabalho bem mais leve. Ainda que a jornada fosse de segunda a sábado (só paravam após servir o jantar e lavar a louça) e com folga no domingo. Não sei precisar a remuneração; sei que não tinham direitos, apenas deveres. E havia tanta mão de obra sobrando na roça que era comum se ouvir "não estou satisfeita com fulana. Vou devolvê-la e irei na colônia buscar outra moça". E isso transcorreu até o final dos anos 1960.

No início de 1970 a economia de Criciúma/SC, que já vinha prosperando com a mineração do carvão, viu-se fortalecida com o surgimento de cerâmicas de pisos, azulejos, lajotas, telhas e tijolos. Carecia de mais mão de obra. E aí as empregadas domésticas visualizaram a oportunidade de terem carteira assinada, jornada de trabalho e além de deveres, direitos garantidos por Lei. Então, as senhoras da sociedade já não podiam simplesmente "ir na colônia buscar outra moça".  E paulatinamente, as empregadas começaram a não mais trabalharem aos sábados. E pouco a pouco foram criando jornadas de trabalho de 8 horas diárias. Bem poucas permaneceram dormindo no emprego. E estabeleceram o salário mínimo como pagamento mensal. E férias remuneradas. No meu ponto de vista, aqui em nossa região, a empregada doméstica foi uma trabalhadora que sem ter um sindicato que a representasse foi impondo, sem greves, suas reivindicações aos seus patrões deixando muito claro que os dependentes ali eram eles jamais ela. Certamente pelos anos de inúmeras humilhações sofridas pelos maus tratos da patroa e caneladas de seus endiabrados filhos e pelos assédios sexuais do chefe da família essas verdadeiras "mucamas heroínas do lar alheio" abocanharam legítima e dignamente os seus direitos trabalhistas.

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

E SEGUE O BRASIL A SENDA DO GOLPE...

  Por Lucélia Araújo              Quando será, nosso Deus, que haveremos de nos libertar? Notícias circulam que a inflação caiu abaixo dos patamares previstos: dos 4,5% para 4,08% nos últimos 12 meses e tudo graças ao sacrifício dos mais de 13 milhões de...

AS DORES E AS DELÍCIAS DE SER LUIZ INÁCIO!

  Por Edson Roberto     Luiz Inácio avisou, não seremos subservientes a nenhuma nação do mundo, o Brasil buscará o seu espaço. Luiz Inácio avisou, nenhum ministro do meu governo tirará sapatos para entrar em nenhuma nação, e isso aconteceu em outro governo. Luiz Inácio avisou,...

A CONSTITUIÇÃO ENLAMEADA

  Por Cleusa Slaviero                            É uma vergonha o vídeo do Moro fingindo que está preocupado com o povo. Isso é truque e bons leitores de discursos já elencaram as pretensões do juiz que faz lembrar...

LULA

 Por Messias Cardoso              Lula é um ser humano de uma doçura inenarrável de fazer cócega na alma. Mas mesmo assim os "Moros” e coxinhas da vida, o odeia. O Lula é um ser humano fantástico, nascido na periferia do Brasil, fez a maior revolução...

LINCHANDO ELIKA

 Por Wilson Gomes            Elika Takimoto. O nome dela te diz alguma coisa? É escritora, já ganhou prêmio literário, tem um blog, escreve lindamente. Elika é também professora. De Física. Recentemente deve ter chamado a sua atenção como "a professora que...

O FUTURO ESTÁ EM VOCÊ!

  Por Lamartine Veiga        Ontem foi um dia em que o corpo se encontrou com seu ser e desse encontro à resistência se fez claridade -- foi uma luz de 35 milhões de corpos que descobriram que ser é muito mais que viver -- assim escreveu Martin Heidegger no seu magnífico...

MORO RECUA. SERÁ?

 Moisés Mendes          Não se ouviu uma única voz de jurista, uma só, em defesa da decisão de Sergio Moro de que Lula deveria estar presente em todas as audiências com suas testemunhas em um dos processos da Lava-Jato. Hoje, Moro recuou. Não porque tenha decidido ser...

ODEBRECHT, O CRÂNIO

    Por Ricardo Eugênio     Temos de tirar o chapéu para a inteligência de Marcelo Odebrecht. Até agora, entre todos os torturados em Curitiba com a única finalidade de jogar Lula na prisão, foi o único a conseguir sua liberdade gozando a cara do fascista Sérgio Moro. Ao...

PROVOCAÇÕES

 Por Moisés Mendes (Jornalista)                 Desde ontem à tarde lido com duas provocações, sem saber destrinchar nenhuma delas. Tomei 14 mates agora de manhã, enquanto caía um chuvisco, e fiquei ainda mais confuso, quando geralmente o...

QUEM QUER DINHEIRO?

  Por Dane Andrade          Eu sou fã do Sílvio Santos e dos seus programas, mas tem um específico que me remete aos acontecimentos da nossa política. Antes de falar sobre isso, eu queria mandar um beijo para a jornalista mais competente da emissora, a francesa...

Esta seção está em branco.

Artigos

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!