CHIQUEIROS URBANOS

 Por Francisco Guil

 

 

No decorrer de quinze anos mudei de endereço treze vezes, em quatro cidades, entre Curitiba e Guarapuava. E o que encontrei nas casas alugadas teve poucas variantes.

Mudar de casa uma vez por ano tem suas vantagens. Conhecemos novas pessoas, novos ambientes, enfrentamos novos desafios e crescemos a partir de suas resoluções. Deparamos inevitavelmente com diferentes formas de interpretar e entender o mundo. E, melhor que tudo, saímos da roda de fofocas que se instala sempre que ficamos muito tempo num só lugar.

Mas também há alguns inconvenientes. A maioria das casas de aluguel apresenta problemas, os mais diversos e estranhos. A começar pelos quintais e jardins. Isso quando há jardim, e não um chão de terra vermelha para sujar a calçada e a casa sempre quando chove. Se quiser criar um ambiente agradável, você pode contratar um jardineiro. Mas se pretende deixar o jardim do jeito que você gosta, terá que pegar na enxada e no rastelo e fazer você mesmo.

Mas nas casas urbanas o solo raramente é dos melhores, porque foi passado a patrola para nivelar e plantar os alicerces da edificação, e também porque o chão tem mais areia e pedras do que húmus. Os construtores, ou os reformadores da residência, deixaram montes de cimento e cal por todo lado. Fizeram novos muros e calçadas, instalaram postes para estender arames, construíram casinhas infantis. Pedaços de lajotas, ladrilhos e crostas de cimento estão por toda parte. Os antigos moradores também deixaram restos de sacolas, hastes de cotonetes, tampas de garrafa, arruelas, porcas, parafusos, invólucros de preservativos e sonrisal, garfos, isqueiros, saca-rolhas, facas, vasilhames, cacos de vidro e cerâmica, restos de brinquedo, bolinhas de gude, tudo misturado com a terra.

Imagine a dificuldade das plantas para crescer nesses ambientes. Até mesmo a tiririca, que tem raiz profunda, mostra dificuldade em sorver a seiva da terra nesses lugares. Os objetos artificiais impermeabilizam a terra, as raízes têm grande dificuldade para se alastrar. Para cultivar flores ou grama, ou mesmo hortaliças e limoeiros, abóboras e melancias, é necessário retirar essa sujeira, jogar terra nova e reavivar o solo.

Por que as pessoas são tão porcas — com o perdão das porcas, que se lambuzam no banhado, mas nunca foram flagradas jogando bituca de cigarro e frasco de shampoo pela janela? Enfim, por que as pessoas são tão porcas? Por que se acham no direito de plantar todas essas porcarias, onde quer que estejam, na rua, na praça e em seus próprios quintais?

Não é difícil entender que as pessoas sujem as ruas e as praças, afinal, esses são locais públicos. Os cidadãos gostam de pensar que pagam impostos e que, com isso, garantem o salário dos garis. Sacolas, garrafas e coisas igualmente vistosas ilustram todas as calçadas e outros ambientes públicos de todas as cidades brasileiras. Parece que não há garis bastantes para garantir a limpeza e a higiene das cidades. E quando deparamos com esses jardins e quintais, que são habitados por pessoas, e neles encontramos a mesma nojeira das ruas e praças, que podemos pensar deste gênero animal, deste ser incapaz de preservar limpo e asseado o próprio ambiente em que reside?

Esse animal estúpido que somos deve ser denunciado um milhão de vezes, e ser penalizado por seus crimes ambientais. Não percebemos que está em nossas atitudes a preservação do paraíso. Preferimos ir ao templo, regatear com Deus — à base de muitas orações e doações — um paraíso no extra-mundo, onde tudo estará novamente limpo e lindo. Para que possamos novamente despejar, nesse paraíso etéreo, toda a sujeira e a nojeira da infeliz condição humana.

 

 

 

 

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

UMA QUESTÃO DE SENSIBILIDADE

  Por Ana Lúcia Alves          Dizem que sou sensível...pois vou contar onde aprendi a ser assim. Convivo a pelo menos 20 anos em hospitais cumprindo meu oficio de cuidar...e lá aprendi...Que paredes de hospitais, já ouviram preces mais sinceras e honestas do que em...

SOLIDARIEDADE NÃO SE PEDE

   Por Claudete Galli                Quero relatar um fato que ocorreu ontem quando eu estava na Vigília Lula Livre. Eu cheguei bem no momento em que o Stédile estava falando, como havia sido a visita ao Lula. Uma observação, então cada vez que o...

EM DIA DE JOGO DA COPA

  Por Igor Grabois            O Brasil é grande nos mais diversos sentidos do termo. Existem cinco países que estão, simultaneamente, entre os dez maiores PIB’s, territórios e populações. O Brasil é um deles. O maior país africano fora da África, só a Nigéria é...

ESTÃO NOS FAZENDO DE BOBOS, BRINCANDO DE DEMOCRACIA.

 Por Inês Duarte                   Não pode haver perdão ao ministro Edson Fachin. Ele traiu o povo brasileiro, traiu a democracia, a Constituição Federal e traiu principalmente ele próprio, quando deixou de cumprir a missão que se comprometeu...

AO SOM DA FOME

 Por Lúcia Costa                Eu tenho 49 anos. Desde criança via comícios, não perdia um, até onde dava. Aos 13 anos comecei a sentir vontade de entrar para a política ao ouvir aqueles homens. Eram só homens, falando bonito. Nos seus discursos...

O RECADO

Por Cleusa Slaviero        Para me apoiar  por causa do desânimo (preocupação), que me acometeu hoje, o George Mello disse: "menos expertise e mais luta, mais determinação." Ele quis dizer que as ações que realizamos na resistência, nesse momento, são mais importantes...

SOBRE A TENDÊNCIA HISTÓRICA E O FUTURO DO BRASIL

   Por Cristiano Camargo                    Toda Revolução Histórica tem um ponto de ruptura, da conjuntura anterior para a nova que surgiu pós- revolução, e que serviu de estopim para incendiar estas revoluções. Pois bem, estamos...

MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho           Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre...

TÁ FALADO

 Por Rosangela Lima              Madrugada alta e eu aqui, escrevendo textão. Pouca gente vai ler, mas é bom desabafar, então... Percebo nos olhares, nas críticas e alguns ataques, a incompreensão de muita gente do meu convívio com o fato de continuar na...

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

Esta seção está em branco.

Artigos

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!