ALÁ

 Por Renato Uchôa (Educador)   

 

 

 

 

Nem precisa um exercício teórico. Nosso ou dos intelectuais das melhores universidades do mundo, comprometidos com a autodeterminação dos povos. Ou mesmo daqueles das cabeceiras dos shoppings e clubes privados. É preciso apreender o instinto de perversidade e desumanidade dos que fazem e dos que comandam Israel, com apoio irrestrito dos EUA.

Benjamin Netanyahu é um assassino por natureza, do mesmo naipe de Mordechai Kedar, um criminoso defensor do estupro às mulheres palestinas. Durante mais de duas décadas como chefe da inteligência militar de Israel. Deveriam ser julgados por um Tribunal Internacional. Pagar pelos crimes. Eles seguem matando sistematicamente, humilhando crianças com a ponta e o tiro fatal do fuzil, de perto ou de longe.

Não faz diferença, muito menos assassinar jovens e adultos. Provocam a morte das suas crianças também, que vivem o clima de terror e são educadas para odiar. São os meliantes que invadem o nosso país, se apossam das terras e, de quebra, ocupam a sala, matam os nossos filhos e estupram as nossas mulheres. É a política do Estado Terrorista de Israel apoiada por Barack Obama, agora Trump, eleito para continuar a carnificina.

Os palestinos habitam a própria terra, na quase totalidade tomada pelo agressor, com a conivência de tantos países ditos civilizados.  Armaram Israel desde 1948. Não bastava a entrega de grande parte da Palestina, legitimada pela ONU. O povo palestino detinha 85% das terras e os judeus cerca de 7%, próximo da criação do Estado Judeu. Aos árabes, se justifica a posição contrária à criação de Israel e do próprio estado (Palestino), à época. 

Também necessário, por não ter exército, o surgimento dos inúmeros grupos de resistência, criados para o enfrentamento e defesa dos palestinos. A criação de Israel, determinada na ONU, em 1947, contou com 33 votos a favor, 13 contra e 10 abstenções, somando 56 Estados. Aspectos legais da partilha não foram resolvidos. O documento final transgrediu os direitos fundamentais do povo árabe palestino, regidos pela Carta das Nações Unidas e pelo Pacto da Sociedade das Nações.

Defloramento do Título Jurídico, alcançado pelos árabes por meio do acordo firmado com os países da Entente, no refratário da Primeira Guerra Mundial. Mesmo assim, o Título garantia plenos direitos à independência da Palestina. Sua violação desencadeou sucessivas revoltas no mundo árabe. De um lado, o Estado de Israel, apoiado pelos EUA. E, do outro, a Liga Árabe, pela antiga URSS.

A questão árabe ficou quente em plena Guerra Fria. Eis que o imperialismo ocidental tomou corpo na região. Para a matança a céu aberto, a mídia se mantém eufórica. É controlada pelos agressores. E dos que sobram da caçada diária, ao longo de mais de meio século, agora confinados, comprimidos no gueto chamado Gaza.

Os conflitos entre palestinos e judeus, de mesma origem étnica, se originam numa volta de século no tempo. O recrudescimento da violência institucionalizada é que não vem de longe. Um espetáculo macabro de terror. O povo palestino tem dias, meses, anos, marcados no calendário da morte e na agenda das indústrias armamentistas, já fazem mais de seis décadas. Nem muito menos têm dúvidas os judeus, que negaram os ancestrais, e grande parte daqueles que escaparam por milagre dos carniceiros de Hitler.

Nos campos de concentração de tortura e morte. Sobre o massacre, a matança generalizada assistida em cadeiras confortáveis.  Justificada, imprescindível e aplaudida por 95% dos judeus. Não é apenas o Estado Terrorista de Israel o culpado pela barbárie, é o próprio povo judeu que coloniza a ferro e tanque o que ainda resta de terras. E prega o aniquilamento total, a varredura completa.

Em carne e osso, suja as mãos do sangue das crianças palestinas, que lhes substancia o sentimento mórbido de vingança. Dizem ser a favor da paz (Israel Democracy Institute). Como podem ter o cinismo de afirmar sobre o diálogo, se defendem o genocídio? Paz dos cemitérios abarrotados de mortos, paz das bombas de fósforos, de todo tipo. Verdadeiramente, defendem o extermínio do povo palestino.

Em um momento propício e estudado, planejado pelos assassinos (com a ajuda dos EUA), governam e comandam o exército. O Oriente Médio queima: conflitos armados, golpes, insuflados e financiados pelo núcleo do capitalismo. Permitem Israel fazer a festa. Nenhuma ajuda ao povo Palestino. Entregue à própria sorte.

 A não ser da América Latina, e dos povos, incluindo milhões de judeus, que se levantam em todo o mundo contra os governos comprometidos com o massacre. Na Venezuela, o presidente Maduro anuncia missões para resgatar crianças mutiladas e órfãs e para abrigá-las, como suas. Atitude humanitária para além das fronteiras latinas. O Brasil faz sua parte, Dilma teve a coragem e a decência de se contrapor a Israel, repudiado pelos crimes contra a humanidade.

Trump, o novo presidente americano, vai continuar a tradição de violência americana contra os povos do mundo inteiro.

Foto: es.paperblog.com

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

UMA QUESTÃO DE SENSIBILIDADE

  Por Ana Lúcia Alves          Dizem que sou sensível...pois vou contar onde aprendi a ser assim. Convivo a pelo menos 20 anos em hospitais cumprindo meu oficio de cuidar...e lá aprendi...Que paredes de hospitais, já ouviram preces mais sinceras e honestas do que em...

SOLIDARIEDADE NÃO SE PEDE

   Por Claudete Galli                Quero relatar um fato que ocorreu ontem quando eu estava na Vigília Lula Livre. Eu cheguei bem no momento em que o Stédile estava falando, como havia sido a visita ao Lula. Uma observação, então cada vez que o...

EM DIA DE JOGO DA COPA

  Por Igor Grabois            O Brasil é grande nos mais diversos sentidos do termo. Existem cinco países que estão, simultaneamente, entre os dez maiores PIB’s, territórios e populações. O Brasil é um deles. O maior país africano fora da África, só a Nigéria é...

ESTÃO NOS FAZENDO DE BOBOS, BRINCANDO DE DEMOCRACIA.

 Por Inês Duarte                   Não pode haver perdão ao ministro Edson Fachin. Ele traiu o povo brasileiro, traiu a democracia, a Constituição Federal e traiu principalmente ele próprio, quando deixou de cumprir a missão que se comprometeu...

AO SOM DA FOME

 Por Lúcia Costa                Eu tenho 49 anos. Desde criança via comícios, não perdia um, até onde dava. Aos 13 anos comecei a sentir vontade de entrar para a política ao ouvir aqueles homens. Eram só homens, falando bonito. Nos seus discursos...

O RECADO

Por Cleusa Slaviero        Para me apoiar  por causa do desânimo (preocupação), que me acometeu hoje, o George Mello disse: "menos expertise e mais luta, mais determinação." Ele quis dizer que as ações que realizamos na resistência, nesse momento, são mais importantes...

SOBRE A TENDÊNCIA HISTÓRICA E O FUTURO DO BRASIL

   Por Cristiano Camargo                    Toda Revolução Histórica tem um ponto de ruptura, da conjuntura anterior para a nova que surgiu pós- revolução, e que serviu de estopim para incendiar estas revoluções. Pois bem, estamos...

MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho           Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre...

TÁ FALADO

 Por Rosangela Lima              Madrugada alta e eu aqui, escrevendo textão. Pouca gente vai ler, mas é bom desabafar, então... Percebo nos olhares, nas críticas e alguns ataques, a incompreensão de muita gente do meu convívio com o fato de continuar na...

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

es-Notícias

O Golpista

                                                                                    ...

Eu acredito é na luta

                                                                                   ...

O recado

                                                                                   ...

AO PREFEITO ARTUR NETO

                                                                                    ...

Olá amigos/as

                                                                                   ...

RESPOSTA À DIREITA E AO PIG

                                                                                   ...

ACREDITAMOS NO BRASIL!

                                                                                   ...

Artigos