A JUSTIÇA SELADA NO CURRAL

 Por Ana Paula Romão (Educadora)       

 

 

 

Bom domingo a todos e todas. O pensamento do dia está ancorado na frase do escritor moçambicano Mia Couto "Há quem tem medo que acabe o medo". Abro está reflexão para dialogar sobre a audácia da "judicialização da política" pela via da direita e o desejo delirante em policializar os argumentos de quem crítica esse processo, por parte de militantes à esquerda, que, exatamente, passam a desenvolver o "medo dentro medo". Ora, desde a Colonização que o poder judiciário foi atrelado ao poder ideológico do "Mandonismo".

No período Imperial, ocorreu uma engenharia do Estado brasileiro que batizou essa relação judicial-cristã, com a Lei de Terras de 1850. É preciso entender que não existe a "bancada da bala e do boi" somente no legislativo, ela também existe no judiciário, e há muito tempo. A maior parte do poder judiciário forneceu os documentos da grilagem, onde em nome da suposta legalidade, retirava o direito dos camponeses que vinham de inúmeras gerações como posseiros e a entregavam ao "coronel" da localidade.

Só existiu um arcabouço de política clientelista, a famosa troca de voto por favores dos coronéis, porque o poder judiciário se acoplava ou se acovardava. Escutei inúmeros relatos de advogados dos trabalhadores rurais sobre os Jagunços que invadiram tribunais para rasgar processo e mandar juiz se calar em dia de ação trabalhista, que se fossem concluídas estabeleceria indenizações, escancaradas na precária legislação, e isso foi nos anos 80.

O famoso Grupo da Várzea era expert nessa forma de articulação (ou intimidação), com o judiciário. Após a CF de 1988 mudou um pouco, mas só um pouco, pois os Relatórios de Direitos Humanos e Interamericanos são fontes de estudo e de denúncia da omissão ou conivência da violação dos direitos do Estado, em que o poder judiciário era (e continua) partícipe.

O Consenso de Washington abriu o comando ao Estado Neoliberal e deu brecha para o "empoderamento" judiciário. Então, após o Governo Bush, nos EUA, o processo da "judicialização da política" ganhou contornos, preceitos e seguidores. Em nosso caso, ganhou corpo robusto. Passou a ser um dos pilares da sustentação do Golpe de Estado, cantada em brado forte pela mídia fazedora de "heróis ". Quer herói melhor, do que um encarnado por um juiz?

Ora, a supressão da democracia desvencilhou o Estado de Exceção e isso causa medo. O medo sobre quais sejam de fato os critérios sobre os quais alguém poderá ser julgado, supostamente, o direito de defesa fica ameaçado. A intenção partidária de dois pesos e duas medidas passa a ser a regra. Nesse processo, outro embrólio, se tem juiz que manda prender sem provas, sem o devido respeito ao direito de defesa. Evidente, que tem o juiz que solta, mesmo com às provas documentais, e em tempo de novas tecnologias, as provas com audiovisual pinotam nos celulares e tablets de cada cidadão, e aí não tem como negar a contradição.

O protagonismo na política então é o judiciário? É isso? Não! O protagonismo são dos movimentos sociais, dos estudantes que ocuparam escolas contra uma reforma arbitrária do currículo, das mulheres que denunciam a violência de gênero e o golpe que nos atinge em cheio, do movimento negro que denuncia o genocídio do povo negro e do fim das políticas públicas que visam superar o racismo, do movimento LGBT que combate o preconceito da diversidade sexual e revigora todas as demais lutas insurgindo o direito à forma de amar e da via campesina e indígenas que denunciam a violência no campo e dos povos das florestas.

Do mesmo modo, das Frentes de Resistência ao Golpe que se formaram com os movimentos sociais e desenvolve ações contra o fim dos direitos sociais, no olho do furacão golpista. Mas, a mídia continua a mostrar a guerra dos "xerifes". O cerne do problema não é a gente se digladiar para saber se tal juiz é o mocinho ou o bandido da história ou se suas ações estão legais na ilegalidade.

A judicialização da política é o problema! Quero continuar com a esperança de vencer os medos!

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

UMA QUESTÃO DE SENSIBILIDADE

  Por Ana Lúcia Alves          Dizem que sou sensível...pois vou contar onde aprendi a ser assim. Convivo a pelo menos 20 anos em hospitais cumprindo meu oficio de cuidar...e lá aprendi...Que paredes de hospitais, já ouviram preces mais sinceras e honestas do que em...

SOLIDARIEDADE NÃO SE PEDE

   Por Claudete Galli                Quero relatar um fato que ocorreu ontem quando eu estava na Vigília Lula Livre. Eu cheguei bem no momento em que o Stédile estava falando, como havia sido a visita ao Lula. Uma observação, então cada vez que o...

EM DIA DE JOGO DA COPA

  Por Igor Grabois            O Brasil é grande nos mais diversos sentidos do termo. Existem cinco países que estão, simultaneamente, entre os dez maiores PIB’s, territórios e populações. O Brasil é um deles. O maior país africano fora da África, só a Nigéria é...

ESTÃO NOS FAZENDO DE BOBOS, BRINCANDO DE DEMOCRACIA.

 Por Inês Duarte                   Não pode haver perdão ao ministro Edson Fachin. Ele traiu o povo brasileiro, traiu a democracia, a Constituição Federal e traiu principalmente ele próprio, quando deixou de cumprir a missão que se comprometeu...

AO SOM DA FOME

 Por Lúcia Costa                Eu tenho 49 anos. Desde criança via comícios, não perdia um, até onde dava. Aos 13 anos comecei a sentir vontade de entrar para a política ao ouvir aqueles homens. Eram só homens, falando bonito. Nos seus discursos...

O RECADO

Por Cleusa Slaviero        Para me apoiar  por causa do desânimo (preocupação), que me acometeu hoje, o George Mello disse: "menos expertise e mais luta, mais determinação." Ele quis dizer que as ações que realizamos na resistência, nesse momento, são mais importantes...

SOBRE A TENDÊNCIA HISTÓRICA E O FUTURO DO BRASIL

   Por Cristiano Camargo                    Toda Revolução Histórica tem um ponto de ruptura, da conjuntura anterior para a nova que surgiu pós- revolução, e que serviu de estopim para incendiar estas revoluções. Pois bem, estamos...

MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho           Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre...

TÁ FALADO

 Por Rosangela Lima              Madrugada alta e eu aqui, escrevendo textão. Pouca gente vai ler, mas é bom desabafar, então... Percebo nos olhares, nas críticas e alguns ataques, a incompreensão de muita gente do meu convívio com o fato de continuar na...

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

es-Notícias

O Golpista

                                                                                    ...

Eu acredito é na luta

                                                                                   ...

O recado

                                                                                   ...

AO PREFEITO ARTUR NETO

                                                                                    ...

Olá amigos/as

                                                                                   ...

RESPOSTA À DIREITA E AO PIG

                                                                                   ...

ACREDITAMOS NO BRASIL!

                                                                                   ...

Artigos