DA CASA GRANDE À SENZALA URBANA

 

                         

                                                     escrevalolaescreva.blogspot.com

 

Por Zurene Manique

O lado paterno de minha família foi deixando o campo, pela cidade, por volta de 1945. Na rota do processo de urbanização, como milhões de brasileiros.  Mas antes disso labutaram muito na terra. Meu pai nunca se conformou com o ditado "o colono trabalha de sol a sol". No inverno, meu avô acordava os filhos (4 rapazes e 2 moças) por volta de 4 da manhã e às 5 horas, ainda escuro, já estavam na roça iniciando os trabalhos de lavoura. Em casa a vó tratava dos animais: 4 juntas (nome popular dado a uma dupla de bois utilizados para desenvolver trabalhos de tração em atividades rurais como puxar um carro de bois) de bois, 4 vacas, 70 porcos e 100 galinhas. Alimentava os 8 bois para liberá-los para o arado. Depois tratava as vacas com espiga de milho, mandioca, batata doce e capim enquanto eram ordenhadas. Na sequência alimentava os porcos e depois as galinhas. Paralelo a essas tarefas corria à cozinha e preparava polenta e carne no fogão à lenha. Após aprontar uma salada mista, pegava uma peça de queijo e ajeitava tudo num enorme cesto. Chamava um capataz que levava o lauto almoço para a família. Isso acontecia por volta de 8 horas da manhã. No decorrer do dia mais duas refeições eram enviadas. Os familiares só retornavam para casa quando começava a escurecer, ou seja, laboravam por mais de 12 horas.

A cena descrita acima serve apenas para ilustrar como se vivia no campo. Mas havia outra realidade paras moças campesinas de famílias mais humildes cujos pais eram empregados em fazendas. Essas meninas acalentavam o sonho de se mudarem para a cidade e terem um emprego mais leve. Desta forma, ir trabalhar numa casa de família com casal e uma penca de filhos e ter de lavar, passar, cozinhar e coser era um trabalho bem mais leve. Ainda que a jornada fosse de segunda a sábado (só paravam após servir o jantar e lavar a louça) e com folga no domingo. Não sei precisar a remuneração; sei que não tinham direitos, apenas deveres. E havia tanta mão de obra sobrando na roça que era comum se ouvir "não estou satisfeita com fulana. Vou devolvê-la e irei na colônia buscar outra moça". E isso transcorreu até o final dos anos 1960.

No início de 1970 a economia de Criciúma/SC, que já vinha prosperando com a mineração do carvão, viu-se fortalecida com o surgimento de cerâmicas de pisos, azulejos, lajotas, telhas e tijolos. Carecia de mais mão de obra. E aí as empregadas domésticas visualizaram a oportunidade de terem carteira assinada, jornada de trabalho e além de deveres, direitos garantidos por Lei. Então, as senhoras da sociedade já não podiam simplesmente "ir na colônia buscar outra moça".  E paulatinamente, as empregadas começaram a não mais trabalharem aos sábados. E pouco a pouco foram criando jornadas de trabalho de 8 horas diárias. Bem poucas permaneceram dormindo no emprego. E estabeleceram o salário mínimo como pagamento mensal. E férias remuneradas. No meu ponto de vista, aqui em nossa região, a empregada doméstica foi uma trabalhadora que sem ter um sindicato que a representasse foi impondo, sem greves, suas reivindicações aos seus patrões deixando muito claro que os dependentes ali eram eles jamais ela. Certamente pelos anos de inúmeras humilhações sofridas pelos maus tratos da patroa e caneladas de seus endiabrados filhos e pelos assédios sexuais do chefe da família essas verdadeiras "mucamas heroínas do lar alheio" abocanharam legítima e dignamente os seus direitos trabalhistas.

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

UMA QUESTÃO DE SENSIBILIDADE

  Por Ana Lúcia Alves          Dizem que sou sensível...pois vou contar onde aprendi a ser assim. Convivo a pelo menos 20 anos em hospitais cumprindo meu oficio de cuidar...e lá aprendi...Que paredes de hospitais, já ouviram preces mais sinceras e honestas do que em...

SOLIDARIEDADE NÃO SE PEDE

   Por Claudete Galli                Quero relatar um fato que ocorreu ontem quando eu estava na Vigília Lula Livre. Eu cheguei bem no momento em que o Stédile estava falando, como havia sido a visita ao Lula. Uma observação, então cada vez que o...

EM DIA DE JOGO DA COPA

  Por Igor Grabois            O Brasil é grande nos mais diversos sentidos do termo. Existem cinco países que estão, simultaneamente, entre os dez maiores PIB’s, territórios e populações. O Brasil é um deles. O maior país africano fora da África, só a Nigéria é...

ESTÃO NOS FAZENDO DE BOBOS, BRINCANDO DE DEMOCRACIA.

 Por Inês Duarte                   Não pode haver perdão ao ministro Edson Fachin. Ele traiu o povo brasileiro, traiu a democracia, a Constituição Federal e traiu principalmente ele próprio, quando deixou de cumprir a missão que se comprometeu...

AO SOM DA FOME

 Por Lúcia Costa                Eu tenho 49 anos. Desde criança via comícios, não perdia um, até onde dava. Aos 13 anos comecei a sentir vontade de entrar para a política ao ouvir aqueles homens. Eram só homens, falando bonito. Nos seus discursos...

O RECADO

Por Cleusa Slaviero        Para me apoiar  por causa do desânimo (preocupação), que me acometeu hoje, o George Mello disse: "menos expertise e mais luta, mais determinação." Ele quis dizer que as ações que realizamos na resistência, nesse momento, são mais importantes...

SOBRE A TENDÊNCIA HISTÓRICA E O FUTURO DO BRASIL

   Por Cristiano Camargo                    Toda Revolução Histórica tem um ponto de ruptura, da conjuntura anterior para a nova que surgiu pós- revolução, e que serviu de estopim para incendiar estas revoluções. Pois bem, estamos...

MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho           Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre...

TÁ FALADO

 Por Rosangela Lima              Madrugada alta e eu aqui, escrevendo textão. Pouca gente vai ler, mas é bom desabafar, então... Percebo nos olhares, nas críticas e alguns ataques, a incompreensão de muita gente do meu convívio com o fato de continuar na...

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

es-Notícias

O Golpista

                                                                                    ...

Eu acredito é na luta

                                                                                   ...

O recado

                                                                                   ...

AO PREFEITO ARTUR NETO

                                                                                    ...

Olá amigos/as

                                                                                   ...

RESPOSTA À DIREITA E AO PIG

                                                                                   ...

ACREDITAMOS NO BRASIL!

                                                                                   ...

Artigos