Educação, perfume do gás e o cassetete democrático.

                                                         

                                                                                                  www.guiarioclaro.com.br

Por Renato Uchôa (Educador)

   Manifestos e vigílias não vão nos devolver a vida. A todos nos que enfrentamos a ditadura militar no Brasil. Das diversas formas. Nos anos de flores e de chumbo. E construímos o PT no calor das grandes greves e manifestações de 78/79, em todo o Brasil. O regime de terror na encruzilhada. Um marco importante, a legalização do partido em 82. Independente do Estado e dos Patrões. Desviados da continuidade na forma e conteúdo da luta ou não. Pertinente, foi preciso duas décadas, para que o PT mudasse a essência, a Carta de Princípios, quando da fundação. A quebra e extinção dos núcleos democráticos, por categoria, bairros, outros, foi tangendo para as alianças eleitorais com anjos travestidos de cães e cães de anjos. Esqueceu, queiramos ou não, a sociedade se divide em classes; a que detém os meios de produção e enriqueceu enormemente no governo petista. Facilitado pela política da governabilidade e os pactos dos túneis escuros. Nenhum pudor, nem agradecem. De outro lado, as camadas subalternas, esperando o pagamento de uma dívida das elites que governam há mais de cinco séculos. Não obstante os grandes avanços em algumas áreas, políticas públicas implementadas; a integração ao mercado consumidor de milhões de brasileiros, expansão dos Centros Tecnológicos, expansão das Universidades Federais; programas de financiamento que tentam situar os emergentes no espaço do que se denomina classe média. Agora querem mais, e muito mais: escolas públicas de qualidade social, hospitais (plano de saúde é caro), moradia, transporte público de qualidade, segurança. Carros potentes e baratos. Enfim, viver o padrão de vida das camadas dominantes. Como diria Vandré “... Caminhando e cantando e seguindo a canção, somos todos iguais, braços dados ou não...”. A bem da verdade, a geração Samsung 4 , em movimento  nas ruas e avenidas do país, desconhece completamente os sacrifícios de todos , inclusive da Presidente Dilma , torturada nas masmorras da Ditadura.Para além da purificação dos movimentos, assépticos, restritivos, violentamente contra as organizações que portem bandeiras ou quaisquer outros símbolos. Tiveram um papel importante na democratização do nosso país e merecem respeito. Portanto, primeiro sintoma de uma inconsciência coletiva. Podem descambar, não obstante o valor simbólico, dimensão social positiva, milhões de manifestantes reivindicando. Ao contrário do que possa parecer, pela justificativa que todos os partidos e instituições, parlamentares, são corruptos. Injustiça a centenas deles, de vários partidos, que defendem os interesses da população na Corte. Composta pelos senadores e deputados. Importante, não obstante a desorganização, o caráter de espontaneidade “relativa”. Em um primeiro momento, na ordem do dia a situação dos transportes coletivos: tarifas caras, precariedade do sistema. Após, com ajuda da estranha mídia; o debate sobre o ritual político no Congresso e Casas Legislativas, nos estados e municípios. Legislam em função das camadas dominantes da sociedade. Eis o que o movimento não questiona. Faz século, a atuação dos legisladores brasileiros assombra o mundo. Salários astronômicos e a fidelidade (deles) aos banqueiros, grandes proprietários de terras, grandes empresários e a todos que compõem o bloco dominante. Ventilam apenas, não o que se constitui na essência: Congresso Nacional, Assembleias Legislativas, Câmaras Municipais, Governadores, prefeitos eleitos por aqueles que também estão nas passeatas. Quando a poeira abaixar, votam em todos eles novamente.  Pelo sim, pelo não, são contra quase tudo e quase nada, na medida em que as questões de fundo, que provocam concretamente a situação de exploração e miséria das camadas subalternas; o lucro dos banqueiros e empresários, no caso do transporte coletivo, nem de longe se questiona. Não é razoável aceitar que a passagem tenha redução em R$ 0,20 ou R$ 1,00 e o Estado destine recursos públicos para o setor. Direta ou indiretamente, com a retirada de impostos importantes que iriam para outros setores: saúde, educação, segurança, moradia, entre outros. E todo mundo bate palmas. Palmas (no fundo) para os empresários do setor. Não perderão nada. Pelo contrário, ganharão tudo. .

  O morro se mantém a espreita, em todo o Brasil. Assiste a uma parcela da população que cheira ou não, ao invés de cocaína e crack, o perfume do gás lacrimogêneo, spray de pimenta e os “cassetetes democráticos”. Caminhar com rumo é preciso, mais conquistas virão.

 

  Sérgio Arruda

Mais recente:COMO ESTAMOS MAL PROTEGIDOS COM NOSSAS ESCOLHAS HUMANAS

    

Ana Paula Romão      

Mais recente:MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA

 

 Renato Uchôa 

Mais recente: MORO, ONDE NÃO MORA A JUSTIÇA 

 

Ana Liési Thurler
 Mais recente:   Percalços inescapáveis do capitalismo

 

Luiz Francisco Guil

Mais recente: ENTRE PERDIDOS E ACHADOS                       

                
 

Artigos

links

Esta seção está em branco.

OPINIÃO

UMA QUESTÃO DE SENSIBILIDADE

  Por Ana Lúcia Alves          Dizem que sou sensível...pois vou contar onde aprendi a ser assim. Convivo a pelo menos 20 anos em hospitais cumprindo meu oficio de cuidar...e lá aprendi...Que paredes de hospitais, já ouviram preces mais sinceras e honestas do que em...

SOLIDARIEDADE NÃO SE PEDE

   Por Claudete Galli                Quero relatar um fato que ocorreu ontem quando eu estava na Vigília Lula Livre. Eu cheguei bem no momento em que o Stédile estava falando, como havia sido a visita ao Lula. Uma observação, então cada vez que o...

EM DIA DE JOGO DA COPA

  Por Igor Grabois            O Brasil é grande nos mais diversos sentidos do termo. Existem cinco países que estão, simultaneamente, entre os dez maiores PIB’s, territórios e populações. O Brasil é um deles. O maior país africano fora da África, só a Nigéria é...

ESTÃO NOS FAZENDO DE BOBOS, BRINCANDO DE DEMOCRACIA.

 Por Inês Duarte                   Não pode haver perdão ao ministro Edson Fachin. Ele traiu o povo brasileiro, traiu a democracia, a Constituição Federal e traiu principalmente ele próprio, quando deixou de cumprir a missão que se comprometeu...

AO SOM DA FOME

 Por Lúcia Costa                Eu tenho 49 anos. Desde criança via comícios, não perdia um, até onde dava. Aos 13 anos comecei a sentir vontade de entrar para a política ao ouvir aqueles homens. Eram só homens, falando bonito. Nos seus discursos...

O RECADO

Por Cleusa Slaviero        Para me apoiar  por causa do desânimo (preocupação), que me acometeu hoje, o George Mello disse: "menos expertise e mais luta, mais determinação." Ele quis dizer que as ações que realizamos na resistência, nesse momento, são mais importantes...

SOBRE A TENDÊNCIA HISTÓRICA E O FUTURO DO BRASIL

   Por Cristiano Camargo                    Toda Revolução Histórica tem um ponto de ruptura, da conjuntura anterior para a nova que surgiu pós- revolução, e que serviu de estopim para incendiar estas revoluções. Pois bem, estamos...

MARIELLE: BRASIL CHORA POR SUA MAIS NOVA MÁRTIR

Por Sérgio Botêlho           Há um mau cheiro no ar. E esse mau cheiro não vem do corpo inerte de Marielle. Esse mau cheiro vem dos seus assassinos. Esse mau cheiro vem de uma sociedade historicamente baseada em podres poderes. Negra, mulher, feminista, pobre...

TÁ FALADO

 Por Rosangela Lima              Madrugada alta e eu aqui, escrevendo textão. Pouca gente vai ler, mas é bom desabafar, então... Percebo nos olhares, nas críticas e alguns ataques, a incompreensão de muita gente do meu convívio com o fato de continuar na...

A MULHER E O VOTO

Por Inês Duarte          Não é de hoje que as mulheres possuem a disposição de lutar por respeito, igualdade de direitos, reconhecimento de seu papel, não apenas na sociedade, mas também, junto ao parceiro, como geradora de filhos, de gerações e que traz consigo o...

Esta seção está em branco.

Artigos

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!