A VIDA DE CADA UM

 

  Por Renato Uchôa ( Educador)  

 

 

                                   

Nascer quando a sorte faz o parto, e a parteira mãe. Fica sendo pro resto da vida. Mãe Irá é a minha. Um salto mortal no escuro longo da vida. Uma réstia de luz na telha quebrada. De vários moleques que habitaram a Praça da Bandeira, na busca das catirinas, e no beiço do Rio Pintadas. Em Campo Maior-PI, berço e túmulo dos Heróis da Batalha do Jenipapo. Sangue e vida pela independência do Brasil, que peada, soluça ainda capenga, na atual conjuntura Golpista.

 Crescer e se preparar, a escola com os maus educadores nos espera. Estão na espreita com os olhos arregalados de ódio sobre nós. Cala a boca menino. Os bons educadores/as forjaram, lapidaram a ferro e fogo as nossas mentes. E foram vários diante da guerra silenciosa. Inúmeras, em todos os lugares: na Terra, no ar, no golfo, no mar. De areia ou de água. Explodiram os nossos castelos de sonhos nas vindas e idas de cada dia.

Calça comprida e cabelo já nos vestem o corpo e a mente. ‘“Era um garoto, que como eu, amava os Beatles e Rolling Stones.” O medo do Exame de Admissão vai se prolongar por anos. Um pulo na catraca. Até bater no portão da Universidade. Novas lutas, novos embates.

“Caminhando e cantando e seguindo a canção, somos todos iguais, braços dados ou não”. Décadas de lutas, de manifestos e vigílias. A benção minha Nossa Senhora das Neves. Da Guia, que me guie em direção à Penha. Novos amigos (as). Negar e combater todas as formas de opressão, discriminação e preconceito. A AMPEP/PB somos nós, nossa força e nossa voz, contra o coro reimoso dos governantes repressivos de plantão.

 PT saudações, prego batido, ponta virada. Boas e boas companheiras (os), no calor do fogo cruzado. “Caminhando contra o vento, sem lenço, sem documentos... eu vou, por que não”? Mala e cuia no caminho. ‘“Ninguém se perde na volta”. Não! Tem certeza? Novos maus educadores que dominam as universidades. Ministros sem nota. A não ser aquelas de exclusão de professores, alunos e funcionários, quando da luta pelas liberdades democráticas contra a ditadura. Mau educador “eleito” por uma caneta do governador. Quem paga a conta? Não tem preço o sacrifício de milhares que se alimentam do pó de giz. E nem de milhões que produzem e nunca terão o acesso às riquezas produzidas. Apenas a cana que prende, ou a que muda de sabor e embriaga, causando lerdeza e cansaço da vida, pelo passo de tartaruga das instituições. Não “assépticas” na resolução das diversas problemáticas das populações.

 E menos limpos os hospitais que alojam a morte. Esperam-nos picados pelo mosquito ou não. O passaporte para a “eternidade” é expedido. Em salas Vips ou imundas dos hospitais e postos de saúde do país inteiro. Décadas de contradição que nos movem rumo à degola; as ideias nos apascentam o medo até a explosão. Da quebra do coco, tucum no solo; correr a vida toda com ou sem o capuz. Patuá no ombro, baladeira na mão, canela na canjica.

As águas vão rolar: Inês é morta. Xeque-mate pra você que não tem nenhuma sensibilidade na hora de pegar Trem da Liberdade. Tainha no Rio Pintadas em Campo Maior. Saltar como um primata na beleza do pulo. Não nas costas dos excluídos, como fazem as camadas dominantes, com a justiça brasileira no curral afrontando a legalidade, com o afastamento da presidenta Dilma.

Um dia o mundo não será mais “deles”, os que nos condenam a uma vida de privação da liberdade. Presos ou não, por aqueles que nos condenam sem provas. A República Corrupta do Paraná, com as prisões degradantes do juiz Moro, representa a maior e mais nefasta quebra da legalidade constitucional em toda a história da justiça.

Partidarizam as instituições na representação dos interesses das elites, na conivência com todas as formas de violência. Na e com a palavra também se luta. O sol sempre será a nossa testemunha da vida. Inclusive que tenho uma Ana.

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!